mundus alter
a map of the world that does not include Utopia is not worth even glancing at...

-lewis mumford
Home Archive Random Message Submit Theme
Next
Encontrar-se

Agarrar-se ao que se sente ser a verdade.

Partir daí.

Um encontro, uma descoberta, um vasto movimento de greve, um tremor de terra: todo acontecimento produz uma verdade, ao alterar a nossa maneira de estar no mundo. Inversamente, uma constatação à qual ficamos indiferentes, que não nos modifica, que não nos compromete, ainda não merece o nome de verdade, Existe em cada gesto, em cada prática, em cada relação situação, uma verdade subjacente. O hábito é  de iludir, de administrar, o que produz a desorientação característica de grande parte das pessoas desta época. Na realidade, tudo se relaciona com tudo. A impressão de viver numa mentira ainda é uma verdade. Trata-se de não largá-la, de partir daí mesmo. Uma verdade não é uma visão do mundo, mas o que nos mantém ligados a ele de forma irredutível. Uma verdade não é algo que se detenha, mas algo que nos move. Ela faz-me e desfaz-me, ela constitui-me e destitui-me como indivíduo, ela afasta-me de muita coisa e torna-me parecido com aqueles que a experimentam. O ser isolado que a ela se agarra encontra fatalmente alguns dos seus semelhantes. Na realidade, todo processo insurrecional parte duma verdade à qual não se cede. Viu-se em Hamburgo, no decorrer dos anos 1980, que um punhado de habitantes duma casa ocupada decidiu que daí por diante seria preciso passar sobre os seus cadáveres para os expulsar. Houve um bairro cercado de tanques e helicópteros, dias de batalha de rua, manifestações gigantescas — e no final, uma prefeitura que capitulou. Georges Guingouin, o “primeiro maquisard da França”, só tinha, em 1940, como ponto de partida, a certeza da sua recusa de ocupação. Para o partido comunista não era mais que “um louco que vive nos bosques”; até que passaram a ser 20 000 loucos a viverem nos bosques e a libertar Limoges.

Pág. 109-10. A Insurreição Que Vem - Comitê Invisível.

❝ O sábio olha o mundo à distância.
E reflete.
E concorda com ele.
E entre os erros e acertos de Deus o sábio medita.
Se recosta na árvore
E fala para sua legião:
“-Construamos o nosso próprio destino.
E quando ele nos oprimir
Sejamos nós mesmos os que nos oprimimos.
E quando tivermos que cantar
Que seja por nossa própria boca
E quando tivermos que chorar
Que seja por nossos próprios olhos.
E quando tivermos que caminhar a última estrada
Entremos nela por nossos próprios pés”.
Sem duvidar de nada o sábio tem seu próprio conceito.
E por ser sábio é simples.
E por ser simples duvida somente de seu próprio conceito.
E faz da sua dúvida
Seu canto
Seu choro
Sua morte.

— O Sábio de Paulo César Pinheiro

❝ Todos vigiam todos para que ninguém faça o que todos gostariam de fazer

— Gaiarsa

❝ Wär nicht das Auge sonnenhaft,
Die Sonne könnt es nie erblicken;
Läg nicht in uns des Gottes eigne Kraft,
Wie könnt uns Göttliches entzücken?

—  Goethe

❝ Do homem primitivo que, sendo uno com o universo, ainda podia ser chamado de inexistente porque indiferenciado da matéria orgânica, chegamos lentamente ao homem artificial que, sendo uno com os produtos e com as situações, é inexistente porque não faz mais atrito com nada, não tem mais relação (luta e, por meio da luta, harmonia) com aquilo que (natureza ou história) está ao redor dele, mas só “funciona” abstratamente.

— Italo Calvino

Obá Iná - Douglas Germano

20 listens

Muitas são as formas dos Numes,
muitos os inesperados atos dos Deuses
e assim os esperados não se cumprem,
Deus acha passagem para o inesperado.
—As Bacantes, Eurípides

Muitas são as formas dos Numes,

muitos os inesperados atos dos Deuses

e assim os esperados não se cumprem,

Deus acha passagem para o inesperado.

—As Bacantes, Eurípides

the-wild-wind-knows:

Chegar em Mim - Céu

1529 listens

❝ The heart, consequently, is the beginning of life; the sun of the microcosm, even as the sun in his turn might well be designated the heart of the world; for it is the heart by whose virtue and pulse the blood is moved, perfected, and made apt to nourish, and is preserved from corruption and coagulation; it is the household divinity which, discharging its function, nourishes, cherishes, quickens the whole body, and is indeed the foundation of life, the source of all action…

— William Harvey, 1628. An Anatomical Disquisition on the Motion of the Heart and Blood in Animals.

❝ Estereótipos são imagens dominantes de um período… O estereótipo é um modelo de um papel: o papel é uma forma de modelo de comportamento. A repetição de uma atitude cria um papel.
Desempenhar um papel é cultivar uma aparência para a negligência de tudo que é autêntico: “sucumbimos à sedução das atitudes emprestadas”. Como desempenhadores de papéis nós vivemos em inautenticidade - reduzindo nossas vidas a uma gama de clichês -, “fragmentando [nosso] dia em uma série de posturas escolhidas mais ou menos inconscientemente dentro de uma gama de estereótipos dominantes.

—  Raoul Vaneigem - The Revolution of Everyday Life

❝ http://www.guardian.co.uk/books/2012/apr/05/gunter-grass-what-must-be-said

— 

Günter Grass: ‘What Must Be Said’